Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 


A verdadeira essência sindical

por impressoemmeiahora, Sábado, 22.10.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 00:02

Passos Coelho

por impressoemmeiahora, Quarta-feira, 19.10.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 17:09

Memorável! Por motivos diversos...

por impressoemmeiahora, Terça-feira, 18.10.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 19:40

Quando chegará a nossa Utoya?

por impressoemmeiahora, Segunda-feira, 17.10.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 17:38

A verdade nua e crua

por impressoemmeiahora, Sábado, 15.10.11

Robert Reich, secretário do Trabalho de Clinton, num artigo recentemente publicado no "The New York Times", faz este exercício saudável: olhar para a floresta em vez de se concentrar na árvore. Recordando que há uma coisa em comum entre esta crise e a grande depressão: ambas aconteceram quando a desigualdade na distribuição dos rendimentos atingiu o seu ponto máximo. Em 1928, 1% dos americanos detinha 24% dos rendimentos. Mudaram-se as políticas e em 1976 detinha apenas 9%. Em 2007, chegava aos 23,5%.

Os números são americanos mas servem para a Europa. Entre 1949 e 1979, a produtividade subiu 119% e os salários 79%. Entre 1980 e 2009 a produtividade aumentou 80% e os salários apenas 8%. No primeiro período, os 20% mais pobres aumentaram os seus rendimentos em 122% e os mais ricos em 99%. No segundo período, que começou com a chegada de Reagan e Thatcher ao poder, os mais pobres perderam 4% e os mais ricos ganharam 55%. Para ajudar à festa, as grandes fortunas conseguiram, através da deslocalização de capitais e da pressão sobre o poder político, fugir aos impostos. Foram os trabalhadores, que já tinham sido roubados nos salários, a carregar o fardo fiscal. Desde o princípio do século, os ciclos foram estes: concentração de riqueza, crise, políticas redistributivas, prosperidade, concentração de riqueza, crise de novo.

Com o dinheiro mal distribuído o crescimento depende do crédito. Como assinalou Paul De Grauwe, num artigo publicado no Expresso, os proprietários de casas na zona euro aumentaram, entre 1999 e 2008, a sua dívida de cerca de metade do PIB para 70%. A dívida dos bancos ultrapassou os 250%. Curiosamente, os Estados foram, nesse período, os únicos que se portaram bem. A dívida caiu de 72% para 68% do PIB. Tirando a Grécia, não havia, na Europa, até ao ataque especulativo às dívidas soberanas, um problema de dívida pública. Havia e há um grave problema de dívida privada. E isto inclui Portugal, que manteve até então a sua dívida pública abaixo da média europeia mas um endividamento privado estratosférico. O maior responsável por esta crise não é, nunca foi, o Estado "gordo". É a desigualdade crescente na distribuição de rendimentos compensada pelo empréstimo do banco.

Que remédio nos oferecem contra esta doença? Facilitar o despedimento; reduzir e congelar salários; aumentar as despesas em transportes, energia, saúde e educação; aumentar impostos sobre o trabalho; aumentar o IVA para reduzir a TSU; reduzir o investimento do Estado; cortar nas prestações sociais; e injetar dinheiro público na banca. Ou seja, distribuir pior o que já estava mal repartido. E as principais vítimas deste assalto, a que damos o nome de "austeridade", continuam a comprar a ideia de que o problema são as gorduras do Estado. Os gordos agradecem.

Daniel Oliveira, Expresso de 10 Set. 2011:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 23:45

Não se pode sair de casa

por impressoemmeiahora, Sábado, 15.10.11

Como alguns sabem, fui viajar. Melhor, fui obrigado a viajar fruto das minhas assinaláveis capacidades intelectuais. Assim mesmo.

 

Voltei ao meu país e estava realmente feliz nessa condição. Esperava-me uma temperatura amena, um polícia simpático à saída do aeroporto, uma mensagem do Tino a confirmar-me mais um sucesso da Dona Branca. Tudo a correr bem.

 

Abro o Publico. Passos limpa de uma assentada subsídio de Natal e de Férias. Assim enquanto o diabo esfrega um olho. E a seguir vai ser manter toda a gente a fazer 24H de urgência mas... de borla que assim é que sabe bem. Assim contas altas, o senhor Passos vai-me limpar mais de 40% do ordenado. 

 

Não sou rapaz de andar de bandeirinha na mão a reclamar. Nunca tive medo nenhum em sair de casa. Não gosto de ser chulado, não gosto, deixa-me aziado. Portanto, evidentemente, é hora de começar a dar corda aos atacadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 22:43


Comentários recentes

  • Anónimo

    Hum hum...

  • Anónimo

    Quem não concorda com a existência do BE, deve con...

  • Anónimo

    O BdC não aproveitou o Leonardo Jardim, o Marco Si...

  • Anónimo

    Esse lugar nobre é do Benfica. Ou aceitas que seja...

  • O comuna

    O futebol é uma máfia. BdC ainda acaba na valeta.

  • Pó de Sirphoder

    Quem defende o Vieira é mau.Quem defende o Bruno d...

  • A hipocrisia

    Muito se fala do BdC, mas quando olho para os outr...

  • Abel

    Muito se poderia dizer. Mas tenho uma pergunta: co...

  • Turista

    Para quem coloca o turismo como uma fonte menor:ht...

  • Nostalgia

    Xiii... o que foram lembrar...





Links

Blogs quase medíocres mas expectaculares


subscrever feeds