Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 


Quando pensei já ter lido de tudo, eis que...

por impressoemmeiahora, Quinta-feira, 28.04.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 19:46

A crise e afins

por impressoemmeiahora, Terça-feira, 26.04.11

Não vou dizer o nome.

 

Fica perto de Caminha, faz fronteira com Azevedo e Argela.

 

Tem 5.85KM2 e segundo os censos de 2001 866 habitantes.

 

Vamos dar todos os descontos. Vamos aceitar que existe muita gente vinda de fora, um polo de investimento, que entra muito dinheiro, todos os "ses" possíveis.

 

Mas... 88 piscinas? 15 por KM2

 

Não digo mais nada. Mas vou-me lembrar disto aquando dos choradinhos habituais do Portuga.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 16:53

O melhor jogador Japonês da actualidade

por impressoemmeiahora, Domingo, 24.04.11

Qualidade de passe acima da média.

 

De referir que, por vezes, existe uma ou outra tentativa de agressão por parte dos colegas de equipa.

 

Por fim, a banda sonora. Vale a pena.

 

Se fosse amigo do Figueiras, seria uma convivência difícil.

 

Figueiras: "Ó Tsubassa, queres uma bola só para ti? Não te ensinaram a brincar com os outros? Olha-me um f*d*p destes... É já.. vou-lhe às pernas... Óh Barros, vai por esse lado..."

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 17:17

Fundo D. Branca - Semana 3

por impressoemmeiahora, Domingo, 24.04.11

Aqui estão os resultados da terceira semana de Investimento:

 

Partiu-se com 64.04 euros.

 

Apostas simples de 2 euros.

 

Foram realizadas 18 apostas: 35.42 euros investidos (uma aposta aceite apenas parcialmente).

 

Obteve-se um prejuízo de -5.58 euros.

 

Prejuízo em relação ao investido: -15.75%.

 

Lucro em relação ao fundo inicial (desde o início do fundo): 62.39%.

 

O fundo, ao fim da terceira semana, passou de 64.04 para 58.46 euros.

 

Resumo da evolução do fundo (47 apostas; 93.42 euros investidos)

 

Capital inicial: 36 euros.

Valor semana 1: 55.94 euros

Valor semana 2: 64.04 euros

Valor semana 3: 58.46 euros

 

Abaixo a lista de apostas da última semana.

 

Sem mais, despeço-me com amizade até à próxima semana.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 15:19

Barros: É maricas ser adepto de dois clubes

por impressoemmeiahora, Domingo, 24.04.11

Acho que já é hora de alguém ter coragem de abordar este tema.

 

Essa coisa de o Barros ter dois clubes e os outros só poderem ter um tem de acabar. É uma completa e total vergonha aquilo que o Barros faz, aumentando de forma descarada as suas possibilidades de sucesso em cada época desportiva dizendo, à boca cheia, que é apoiante de dois clubes. Isso, para além de ser desportivamente questionável, é um bocado maricas. Criticar à boca cheia os adeptos do Braga, durante décadas, por serem adeptos do Benfica e depois substituir o clube do regime pelo clube barricado do Norte, não está correcto.

 

Por isso, meu amigo Barros, tens de escolher. Ou és adepto do Braga ou do Porto. E festejas e choras só com um.  Mais nada. E calas-te.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 00:08

Euronews - No comments

por NSR, Quinta-feira, 21.04.11

Hoje de manhã num café, 2 benfiquistas:

- Então pá viste o jogo ontem?

- Se vi!!! Que grande jogo!!!

- Podes crer, o Mourinho e o Ronaldo estão em grande!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por NSR às 13:43

Sócrates, põe-te no caralho e leva a sucata toda contigo!

por impressoemmeiahora, Quarta-feira, 20.04.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 10:11

Porque convém saber ao que vamos

por impressoemmeiahora, Terça-feira, 19.04.11

Dona Branca

Maria Branca dos Santos (n. Lisboa1902 - m. Lisboa3 de Abril de 1992) mais conhecida por Dona Branca, foi a famosa "Banqueira do Povo" que causou um enorme escândalo financeiro nos anos 1980 em Portugal.[1][2][3]

Devido aos acontecimentos políticos da sua época, prevendo-se o declínio da monarquia (e mais tarde o declínio do frágil e novo regime republicano), acrescida futuramente com a participação na 1º Grande Guerra Mundial, o nível de pobreza aumentava desmesuradamente.

Infância

Maria dos Santos era descendente de família humilde e bastante pobre. Recebe formação escolar muito básica e, ainda que praticamente analfabeta, possuía grande capacidade de raciocínio matemático e forte aptidão para a estratégia bancária/comercial.

Atividade

Desde cedo, começou a sua prática "bancária": guardava o dinheiro da venda de varinas ao longo do dia recebendo ao anoitecer uma pequena compensação pelo "depósito". Destacou-se pela sua honestidade e carisma, e passou a ser solicitada também pelos vendedores ambulantes.

No decorrer dos anos 1950, com a política Salazarista, em que reinava a pobreza nacional, torna-se numa pseudo-bancária quando iniciou a sua atividade clandestina. Estrategicamente, começou a atribuir juros a quem lhe confiasse as suas economias, tanto maiores quanto mais elevadas fossem. Utilizava bastante bem o esquema em pirâmide.

Assumiu posição diferente à da Banca e da técnica bancária: recebia depósitos acrescidos de 10% de juros a quem aplicasse as suas poupanças e concedia empréstimos a juros elevados. Esta medida foi crucial para a sua expansão da sua atividade e renda.

No ápice, fosse rico ou pobre, pescador a empresário, todos recorriam à "Banqueira do Povo" como passou a ser conhecida.

Método

A metodologia resultava com o aparecimento diário de novas pessoas e operava do seguinte modo:

  • ontem pessoa 'X' depositou 20 contos.
  • hoje pessoa 'Y' deposita 20 contos (2 contos iriam para pessoa 'X' - ficava logo com os juros mensais)

Funcionava assim sucessivamente, uma vez que o cliente de ontem recebia os juros provenientes do investimento do(s) cliente(s) do dia seguinte.

Uma vez que tanto o cliente 'X' como o cliente 'Y' não procediam ao levantamento da totalidade do depósito, facilmente se gerava um fundo sustentável, que seria aumentado significativamente dado que, ao invés do levantamento, os clientes voltariam a depositar.

O empréstimo que concedia era rigorosamente estudado e concedido a juros elevados atingindo valores até metade do empréstimo.

Ao longo de décadas, o esquema funcionara, pois semanalmente apareciam dezenas de cliente novos vindos de todo o país.

Isto obrigou-a à criação de novos escritórios espalhados tanto por Lisboa quanto por todo o país, visto que começavam a ser notórias as extensas filas à porta do seu escritório deAlvalade.

Para isso contou com a colaboração de familiares e amigos íntimos que eram aliciados e estimulados pela entrada de quantias exorbitantes de dinheiro vivo.

No entanto as pessoas que contratara estavam ligadas a negócios ilícitos e, por isso, estes angariadores tinham a esperteza e conhecimentos técnicos, conseguindo assim obter valores de milhares de contos.

Esta sua atividade não passou despercebida pelas autoridades judiciais e bancárias, mas estas tornaram-se facilmente subornáveis.

Declínio da atividade

Em Março de 1983, o semanário "Tal & Qual" divulga a sua atividade e os seus métodos, sendo também notícia na imprensa internacional.

Por consequência, D. Branca conseguiu, em muito pouco tempo, quadruplicar o seu poderio econômico. Centenas de pessoas dirigiam-se para seus escritórios para obter o juro de 10 % mensal que fazia concorrência ao juro oficial da banca que era de 30 % ao ano.

O crescente levantamento das contas à Banca oficial e o depósito na atividade da "Banqueira do Povo" alarmaram o Banco de Portugal e o Governo, prevendo-se a muito curto prazo a bancarrota da banca. O Ministro das Finanças, Ernâni Lopes, estrategicamente, foi à televisão advertir e acautelar os portugueses.

Resultado disso foi o deslocamento de centenas de pessoas querendo reaver o seu dinheiro depositado, o que imediatamente gerou uma confusão incontrolável e um pânico estrondoso.

Os seus escritórios estavam amontoados de sacos com dinheiro e o não controlo da situação levou a que, gananciosamente, alguns colaboradores sacassem o dinheiro que conseguissem ou passassem os bens imobiliários para o seu próprio nome.

Alguns dos colaboradores da "Banqueira" estavam envolvidos no mundo do crime, tanto que com um deles, Manuel Manso (suspeito de um assalto de uma ourivesaria, tendo furtado cerca de 3 quilos de ouro), numa apreensão à sua residência, fora encontrado um cofre contendo 60 mil contos em dinheiro vivo e dezenas de cheques no valor de 90 mil contos.

Processo em Tribunal

Dona Branca, de modo a devolver a quantia que havia sido depositada pelos seus clientes, passou milhares de cheques sendo centenas deles devolvidos por falta de provisão, fundo.

Envolvida com colaboradores corruptos e criminosos, um deles o seu advogado, que "legalizava" as suas ações financeiras, foi finalmente detida a 8 de Outubro de 1984 e colocada preventivamente na Cadeia das Mónicas, em Lisboa.

Foi acusada pelo Ministério Público, juntamente com 68 arguidos, por associação criminosa, múltipla prática da emissão de cheques sem cobertura, burla agravada, falsificação e abuso de confiança, tendo sido iniciado o julgamento em 1988 no Tribunal da Boa-Hora, que teve a duração de 1 ano.

Resulto do julgamento: pena de prisão de 10 anos para a D. Branca por crime de burla agravada e 24 dos arguidos foram absolvidos.

Morte

Pouco tempo depois, e devido ao estado débil de saúde e à idade avançada, viu ser-lhe reduzida a pena e saiu em liberdade, vivendo até a data da morte num lar, cega e, ironicamente, na miséria. Foi enterrada ao Alto de São João acompanhada de apenas 5 pessoas.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Dona_Branca

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 21:17

Portugal e o Sporting

por impressoemmeiahora, Terça-feira, 19.04.11

Há muitos anos que Portugal tem uma tradição de masoquismo, desresponsabilização e orgulho na incompetência. É uma forte doença auto-imune que está imbuída no código genético social português.

Não indo muito longe no tempo desta velha nação, porque levar-nos-ia a pensar quando começou este gosto pela auto-destruição, façamos uma retrospectiva histórica:

Quando Portugal precisava reformar a sua agricultura e recursos florestais, toca a transformar o país em trigais e eucaliptais até esgotar os solos.

Quando os outros países descolonizaram o Ultramar, nós decidimos ir para Angola depressa e em força entregar o sangue dos filhos da nação em troca de coisa nenhuma.

Quando toda a Europa Ocidental se democratizava, decidimos trocar uma ditadura de direita por uma de esquerda.

Quando Portugal precisava valorizar os recursos naturais, opta pelo betão e em força. Dizia-se então que o estatuto de uma cidade se media pela altura do edifício mais portentoso (leia-se mamarracho com gaiolas, ex: Prédio Coutinho) — construído no sítio mais impróprio possível, sempre!

Quando Portugal precisava de renovar a Marinha, compra 45 caças F16 em 2ª mão, para caçar em pleno ar não se sabe bem o quê, melros talvez.

Quando os outros países da Europa decidiram apostar na ferrovia, Portugal e o seu gémeo oriental (Grécia), ao arrepio de toda a Europa, mas profundamente "iluminados", optam pelo asfalto.

Quando o Alqueva já estava obsoleto (porque o Alentejo afinal já não era o celeiro de Portugal), opta-se pela sua conclusão, com as consequências nefastas que teve para os vinhos do Alentejo.

Quando Portugal necessitava de lanchas rápidas para controlar a vasta ZEE, eis que se compram dois submarinos para brincar às escondidas no mar.

Quando Portugal precisa recuperar a sua economia, faz protocolos com a China para destruir todo o seu comércio e resolve construir um novo aeroporto e um sistema ferroviário específico de classe luxuriante.

Quando Lisboa está entulhada de carros, planeia-se uma ponte gigantesca com 3 faixas rodoviárias em cada sentido, mesmo no meio do Tejo com as nefastas consequências para o património paisagístico que se conhecem.

Quando Portugal tem 144 camas no Alcoitão para doentes em reabilitação profunda e os hospitais não dão conta do triste panorama da saúde, constroem-se 10 estádios de futebol com as consequências que se conhecem.

Nesse processo dos estádios, está envolvido Godinho Lopes, conhecido "artista" que, depois de lesar o estado em €25M, embora ilibado por falta de provas (mas não absolvido), cai de pára-quedas no Sporting e é o sinistro responsável pelo desastroso processo do novo estádio José Alvalade, processo do qual se orgulha, note-se.

Quando o Sporting é a maior potência do Atletismo nacional, ao desastroso processo de planeamento do estádio (entregue pelo "artista" a um conhecido lampião de má fama e conhecido péssimo gosto artístico) subtraia-se então todo o equipamento da modalidade mais forte do clube, em detrimento de uma maior proximidade do público ao relvado, dizia-se — mas que acaba gorada com a adição de um fosso. Como pièce-de-résistance, decore-se o Sporting, a sua imagem e a sua casa da forma mais foleira possível.

Quando o Sporting se encontra no fosso a que os primazes da arte burlística o remeteram, que melhor opção senão coroar de glória o "artista" Godinho Lopes?

Portugal não tem espelhos em casa. Portugal escolhe sempre a pior opção e orgulha-se disso, faz gala de ser parvo e... orgulha-se disso, com um sorriso tolo na cara. Portugal olha para a Europa e, ou intelectualmente desonesto ou simplesmente em negação, gaba-se que é parvo mas que tem bom coração. Mas nem para si mesmo é bom.

E o Sporting não escapa a este desígnio nacional.

"Mau perder" dirão alguns? não, é mais a frustração de lidar com pessoas que se orgulham da sua pequenez. Porque perder não se perdeu, a não ser uma oportunidade de ouro. Houve apenas uma jogada de xico-espertismo para perpetuar a tacanhez e o obscurantismo auto-destruidor.

Mas em Portugal e no Sporting os dias da tacanhez estão contados. Chegará o ponto em que o bolor que corrói as estruturas desta nação terá um bafiento cheiro tão insuportável que a mudança será inevitável e inexorável.

 

Viridis

http://www.forumscp.com/index.php?topic=31140.0

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 19:55

O pessoal de Braga é assim

por NSR, Terça-feira, 19.04.11

http://www.publico.pt/Local/pj-deteve-e-libertou-suspeito-de-morte-de-homem-por-espancamento-em-braga_1490441

 

Vítima morreu três dias após a agressão

PJ deteve e libertou suspeito de morte de homem por espancamento em Braga

19.04.2011 - 09:50 Por PÚBLICO

A Polícia Judiciária identificou e deteve um indivíduo de 20 anos por suspeitas de agressão violenta de um homem de 60 anos no passado dia 9, em Braga. Devido às “lesões graves” sofridas, a vítima viria a morrer três dias depois do incidente. O suspeito foi ouvido pelas autoridades e libertado, ficando sujeito a apresentações periódicas às autoridades.

A agressão ocorreu na madrugada de dia 9 quando António Peixoto, de 60 anos, se dirigiu, como habitualmente, a uma roulotte de comida em Braga, onde era conhecido. O incidente terá ocorrido quando António ofereceu cigarros a um grupo de jovens, um gesto que era também seu hábito. Um amigo da vítima, ouvido pelo “Jornal de Notícias”, conta que tanto António como os jovens estariam embriagados e que após a oferta de um cigarro começaram as agressões. “Ele foi logo pontapeado e espancado. Eram para aí uns cinco ou seis”, relatou a testemunha ao jornal.

Depois de assistido no local pelo INEM, a vítima foi transportada para o Hospital de Braga onde acabou por morrer no passado dia 12.

Ontem, a Polícia Judiciária avançou em comunicado que identificou e deteve um homem, um estudante universitário de 20 anos, sobre o qual recaem “fortes indícios da prática de um crime de ofensa à integridade física, de que resultou a morte da vítima”, com quem não tinha qualquer relação, referindo-se ao incidente em Braga.

De acordo com a polícia, “o autor, de surpresa e sem que nada o fizesse prever, em plena rua, desferiu violentos golpes a pontapé na vítima causando-lhe lesões graves”.

Após ter sido ouvido, o indivíduo ficou sujeito a apresentações periódicas às autoridades e impedido de se ausentar do território nacional.

Segundo o “Jornal de Notícias”, o suspeito é aluno na Universidade Católica Portuguesa, no Campus Camões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por NSR às 19:50


Comentários recentes

  • Anónimo

    Hum hum...

  • Anónimo

    Quem não concorda com a existência do BE, deve con...

  • Anónimo

    O BdC não aproveitou o Leonardo Jardim, o Marco Si...

  • Anónimo

    Esse lugar nobre é do Benfica. Ou aceitas que seja...

  • O comuna

    O futebol é uma máfia. BdC ainda acaba na valeta.

  • Pó de Sirphoder

    Quem defende o Vieira é mau.Quem defende o Bruno d...

  • A hipocrisia

    Muito se fala do BdC, mas quando olho para os outr...

  • Abel

    Muito se poderia dizer. Mas tenho uma pergunta: co...

  • Turista

    Para quem coloca o turismo como uma fonte menor:ht...

  • Nostalgia

    Xiii... o que foram lembrar...





Links

Blogs quase medíocres mas expectaculares


subscrever feeds



Pág. 1/4