Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 


Visionário

por impressoemmeiahora, Segunda-feira, 16.07.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

por impressoemmeiahora às 19:45

20 comentários

De Cáustico a 16.07.2012 às 23:14

Em vez de fazerem os bebés em casa vão fazer na mata!!

É o regresso ao campo, forçado.

Xico já não te vais sentir sozinho!

De Abel a 17.07.2012 às 01:31

No fundo, há alguém que acerta sempre.

200000 guardas florestais. A mais bem guardada floresta de sempre.

E vou acertar nos outros vaticínios, a saber:
- serão os ricos a pagar a crise, porque mais ninguém tem dinheiro.
- O Fundo D. Branca vai gerar 300000 euros a 5 anos por cada 1000 euros.
- Este blog será uma referência nacional.
- Os Açores serão a 3ª região mais rica do país a seguir a Lisboa e à Madeira.

De Robin Hood a 17.07.2012 às 18:37

Concordo.

- Este blog será uma referência nacional - já o é.
- Os Açores serão a 3ª região mais rica do país a seguir a Lisboa e à Madeira - com a independencia do Norte que se vai juntar a Galiza para formar a potência Portugalícia, com a anexação do Algarve pela Inglaterra, com a extensão da extremadura espanhola às beiras, ficam em Portugal as regiões de Lisboa, Madeira, Açores e Alentejo.
- O Fundo D. Branca vai gerar 300000 euros a 5 anos por cada 1000 euros - evolução natural já demonstrada em várias apresentações e relatórios nos últimos tempos.

Não concordo com a dualidade habitual ricos/pobres. O que é um rico para ti? e um pobre? E como resolves as diferenças - com transferencias/(impostos+subsidios)? Impressão de dinheiro? Nacionalizações?

A crise não se paga, é um downsizing rendimento (credito/consumo + poupança) da maior parte da sociedade, em que uns descem mais que outros mas na generalidade consome-se menos. E a crise já está a ser "paga".

De Abel a 17.07.2012 às 21:02

Os habitantes deste blog são uns fodinhas da Economia. "downsizing"...

Eu explico o meu downsizing:
- Há uma cambada de filhos da puta que mamou até não haver amanhã.
- A vaca ficou sem leite.
- Já estão a magoar a vaca.

Portanto:
- Há que ir buscar esse dinheiro. Como: roubando-o. Simples.

Mas como é possível?
É tão possível como mo roubaram a mim.

Quem não gosta, com o caralho. Quem gosta de mamar fica por cá. Mesmo com cortes, sempre é mais fácil que numa realidade estranha.

De Asterix a 18.07.2012 às 17:05

Realmente mariquice abunda por aqui. Mas esperava mais dum blog de referência - fizeste um comentário barulhento e visível mas sem objectivar nada nem acrescentar nada em relação ao que se ouve nos tascos ou o que se lê nos outros blogues - assim não vai ser referencia.

Era interessante identificar quem te roubou e o que é que te rouba. E o que é preciso fazer para resolver.

Se falares no governo, no BPN, nas PPP, Isaltino, e outros escandalos, concordo contigo que roubaram-te e devem ser punidos.

Mas sugiro outros :
- 3 milhoes de pensionistas - não descontaram suficiente para as pensões, recebem 13 e 14 mes; alguns recebem tanto ou mais do que quando trabalhavam, outros acumulam, a outros foram contabilizados os melhores 10 anos e não o total de descontos...
- 1,3milhoes de ADSE mais outro tanto talvez para outros subsistemas - não descontam suficiente para os gastos do sistema logo é a ti que vão buscar o resto
- milhoes de sapateiros, medicos, costureiras, trolhas, canalizadores, mecanicos, restaurantes, cafes, pequeno comercio, etc que não pagam os impostos devidos (embora julgue que são excessivos, pelo menos alguma coisa)
- milhares a usufruir de subsidios sociais, isenções manhosas, subsidios para agricultura e pesas manhosos, beneficios fiscais manhosos, etc
- Quase 1 milhão de funcionários publicos com aumentos salariais superiores a produtividade, a inflação e a capacidade financeira de Portugal
- Mau profissionalismo privado e publico - no privado se forem maus profissionais a empresa fecha e sofrem desemprego; no publico metem mais gente para compensar ou subcontratam empresas. E roubam-te a carreira, mas os maus profissionais continuam protegidos, não são penalizados nem despedidos e continuam com salarios bem altos mesmo que não tenham feito por isso - é evidente nos médicos, enfermeiros, professores, etc. Sobem de carreira por idade ou por uma avaliação ridicula e mantem-se sem retrocesso mesmo que nada façam por melhorar - e tu ficas sem carreira. Muitos trabalham mau no publico e bem no privado sem qualquer consequencia.
- Medicos a prescrever exames em função do marketing em detrimento da ciencia, doente e custo.
- camaras e institutos com cunhas, contratos manhosos, adjudicações e projectos incomportaveis para o pais
- estádios de futebol, auto-estradas, submarinos, escolas de luxo, biblioetecas, museus, piscinas, centros sociais, memoriais, rotundas, equipas de bola em tudo o que é terreola.
- trabalhos forjados, copias em exames, baixas falsificadas, atestados falsificados, lixo para o chão e outros exemplos de ma cidadania
- muitos outros esquemas e serviços que nem nos apercebemos que existem e que beneficiamos deles.

Conclusão: o pais evolui muito nos ultimos 30 anos e para melhor, mas não se teve em conta o custo e se era sustentável. A meu ver, essencialmente o que te roubaram (e a todos nós) foi o sonho de poder viver tão bem ou melhor que até agora e a previsibilidade da vida.
Temos bons indicadores de saude mas a um custo insuportavel e um SNS ineficiente. Temos maus indicadores escolares a um custo insoportavel. Temos bons estadios, boas auto-estradas, boas escolas, boas reformas (de acordo com o produzido), bons carros. Mas investimos demasiado rápido e não produzimos suficentemente rápido para pagar.

A solução passa por uma mudança cultural em que se perceba que para ter é preciso fazer. Mas a mudança demora. Até lá é preciso ajustar a realidade, punir as ilegalidades e cada um perceber que pais quer, que relação quer com o pais e, se quiser manter as coisas, contribuir para tal. Para alem de culparmos os gatunos julgo que devemos perceber que isto é sistémico, que todos (por uma via ou outra) mamamos da vaca.
Em relação aos politicos, são na generalidade um reflexo da sociedade, vem da mesma matéria que nós. Temos de andar em cima deles mas reconheço a dificuldade em decidir bem.

E tu, que pensas ao certo? Concordas com isto?

Havia mais coisas mas agora não me lembro.

De Abel a 19.07.2012 às 02:37

Vou responder a todas as observações levantadas por este Senhor (boa noite Figueiras).

Ponto 1: Impresso como referência.
O Impresso é uma referência não pela qualidade. O Impresso é uma referência por ser imprevisível. Podem coabitar textos miseráveis com textos de alto valor. Tudo depende da inspiração de quem os escreve, da hora do dia, da temperatura, se o Sporting ganhou… O Impresso é feito por indivíduos inteligentes. Mas que por vezes não dizem nada de jeito: espero sinceramente que assim continue.

Ponto 2: 3 milhões de pensionistas.
O problema não está na minha avó que recebe 150 de reforma. E não descontou para isso. 150 euros não dá para uma azeitona em certos locais mais bem frequentados do país. Mais uma vez, o problema está na mama. Não podem existir indivíduos que trabalham na EDP a ver quando a luz ia a baixo a MAMAR 2000 euros de reforma. Como se resolve: taxando, por lei, as reformas mais generosas. É a única maneira de amainar a mama. E 2000 euros é o início do problema. CORAGEM POLÍTICA.

Ponto 3: ADSE.
É acabar com isso. É simples: decreto lei a dizer - acabou a ADSE. Problema resolvido.

Ponto 4: Fuga aos impostos.
Como queres que não fujam aos impostos? Com que moral pede um estado gastador leviano (Submarinos, BPP, PPP…) pedir que se pague alegremente esta MAMA? As pessoas não são estúpidas. Quem ganha bem e foge aos impostos… fácil: taxar o património. Se eu ganho 1000 e tenho uma casa de 1 milhão, de algum lado me vem.

Ponto 5: Subsídios e isenções.
Isenções são contra. Todos pagam, nem que seja 1 euro.
Subsídios: depende de muita coisa, têm de ser obviamente bem analisados caso a caso. Sou a favor que devam ser devolvidos, nem que seja sem juros. Sempre dificulta a MAMA.

Funcionários públicos:
A Saúde e Educação devem ser sempre maioritariamente públicas. O resto é privatizar tudo. É indispensável fiscalizar melhor as Câmaras Municipais e quem prevaricou: Xadrez. Simples. Devo-te lembrar que a carreira médica está CONGELADA há 10 anos. Aliás, os gastos com a saúde não têm nenhuma relação com a crise (outro post, noutra altura)

Médicos: A maioria dos que conheço… bons profissionais. O impacto dos maus acho residual. Não me parece que isso resolva nada de muito relevante no país. Quantas denúncias já fizeste?

Mau estado: o verdadeiro cancro nacional.

Não partilho da tua ideia de má saúde e má educação. Em 2000 Portugal tinha o 12ª melhor sistema de saúde do mundo. O que se passou depois disso foi uma “privatização” da gestão que foi um desastre. Na Educação, nunca me faltou nada. E nasci numa periferia tal como tu.

Para mim a crise tem um nome: desvio brutal de riqueza. Existe uma assimetria gigantesca de rendimentos. O dinheiro está a ficar de forma demasiado significativa numa minoria.

De Barros a 19.07.2012 às 16:18

Amigo insular, estás com uma verborreia de tal forma intensa que das duas três: ou andas com pouco que fazer e muito tempo livre ou então estás no limiar do desespero/ loucura. E estou a ficar um pouco preocupado com a tua radicalidade. Estás a precisar de passar uma semana de férias comigo para te amansar os ânimos.
Quero tecer alguns comentários em relação aos teus pontos:
- A ADSE não é extinta porque há muitos hospitais privados e grandes grupos económcos a benificiar com o "patrocinio" do estado em consultas e cirurgias; se no Norte representam uma boa fatia dos doentes que recorrem a estes hospitais, imagino em Lisboa, onde o cancro é geralmente maior; com o fim da ADSE imagino vários hospitais privados a encerrar
- Já existem impostos nada meigos sobre imóveis, automóveis... o problema é o que muitos dos que fogem aos impostos têm bens não declarados e pode não ser fácil taxá-los, como pretendes
- Em relação ao Figueiras que muito fala e pouco faz, não é novidade para ninguém; aliás, fiz menção a isso na minha descrição sobre ele.

De Xacota a 20.07.2012 às 10:17

Mudança cultural, my ass! Vais me dizer que os nórdicos não roubam e não são calões como nós? As suecas até são conhecidas por mamar melhor que as portuguesas!
Podes invocar que possuem uma ética de trabalho melhor que a nossa (radicada provavelmente no protestantismo) mas não deixam de parasitar o estado e reivindicar subsídios. Uma mãe na Noruega fica 2 anos sem trabalhar e a receber...
E é claro que essa ética de trabalho e os recursos naturais que possuem permitem pagar este estado social mas pode fazer-se o mesmo raciocínio : 2 anos sem trabalhar não será roubar também?

Por isso dizes muito bem que até lá é preciso outras coisas. E eu acho que o nosso maior defeito é o sistema eleitoral e por consequência os políticos que temos. Votamos em partidos e eles escolhem os seus meninos para os nossos lugares. Não existe verdadeira representavidade e isto empena a relação entre o eleitor e o governo. Os deputado representam outros interesses que não os dos eleitores.

E vocês podem prescrever o fim da ADSE, dos funcionários públicos, dos recibos que não são factura, das autoestradas PPP, dos médicos calões que nada se compararia a esta alteração fundamental. Votar em pessoas e pedir responsabilidades nem que seja para isso ir ao tour de frança chamar a atenção para um ministro filho da puta.

Enquanto este pais não discutir o sistema eleitoral, este país não vai discutir porra nenhuma!

De Curioso a 20.07.2012 às 15:36

Xico, como é que é o sistema eleitoral que defendes?

De Xico a 23.07.2012 às 12:23

Espero que até o Barros consiga ler este artigo até ao fim.

http://www.ffms.pt/evento/282/circulos-uninominais

De Barros a 18.07.2012 às 17:49

Este é o nosso Abel mais primário. Também gosto dele assim.
Não me considero um "fodinas da economia". Sou básico nestas questões como tu. Os outros são como o papagaio Marcelo: falam, falam, falam mas não os vejo a fazerem nada.

De Tino a 19.07.2012 às 20:44

Isto parece o ginásio: tudo a malhar! Estou a ver que não chegou o que escreveram sobre o Figueiras... :D

De Abel a 21.07.2012 às 19:06

Eu gosta era de saber porque é que ninguém ainda não me deu, deliberadamente e sem reservas, os parabéns pela minha capacidade visionária extraordinária.

De Tino a 21.07.2012 às 19:21

Abel, porque não concordo com a medida.

De Abel a 22.07.2012 às 12:15

Falamos em capacidade adivinhatórias, não de medidas sensatas (aliás, a segunda hipótese, se sugerida previamente por mim, dificilmente se aplicaria).

De Automático a 23.07.2012 às 13:16

Perdi-me - qual medida? Visionário em relação a que? estão a falar de que?

De Eu estive lá a 23.07.2012 às 18:47

Este senhor não ia no carro connosco...
Deve ser um sapateiro ou pior.

De Arnês a 23.07.2012 às 20:39

O sr estava a falar sério - o tema deu tantas voltas que se desligou do título.
Entretanto já leu o título e percebeu- é visionário sim senhor

De Obelix a 24.07.2012 às 23:29

Repare, Sr. Abel,, o que o Asterix diz é que é um conjunto de factores que impulsionaram, por um lado desenvolvimento social, mas tambem aumento desmesurado da dívida e do custo insuportavel desse desenvolvimento. O Astérix apontou alguns factores mas não propriamente como culpados - não sabemos se seria possível de outra forma.
Também é importante a definição da relação com a sociedade (nós relacionados com outros) - por exemplo, não chocará ninguem as reformas mínimas mas antes, como apontaste, pensões mais que remediadas e desproporcionais ao contributo anterior. O mesmo para a ADSE, para outras regalias e proteções de alguns grupos profissionais etc. O sr. Barros advoga que a ADSE não pode acabar, mas podem aumentar as contribuições de modo a que seja sustentados pelos próprios utilizadores e não por transferências de impostos a outos. Com estas e outras medidas talvez se pudesse diminuir impostos que, concordando o Asterix com o Sr. Abel, seria importante para aumentar a cobrança e para facilitar a criação de negócios.

Repare também que o Astérix não diz que a Saúde é má - diz é que talvez seja demasiado cara para os resultados e para a capacidade do pais. Tal como a Educação, mas esta com resultados bem piores - lembro o Abel das histórias da sua escola e das suas origens - quantos rumaram por melhores caminhos? Não quer isto dizer que a culpa é dos professores, mas algum dinheiro poderia ser investido noutras áreas para melhorar indirectamente o sucesso escolar. Nomeadamente, a reforma cultural/social que um Sr muito facilmente discorda e, concordo, muito dificil de fazer. E concordo tambem que a reforma eleitoral seria importante, embora a democracia representativa tenha os seus problemas, nomeadamente a obtenção de consensos alargados.
Quanto a Noruega - as mães não roubam tal como os reformados não roubam. A Noruega talvez tenha meios para pagar esses 2 anos, ou não gasta noutros sitios para gastar aí (assim a sociedade prefere), nem sabemos até quando poderá pagar - problema deles.
Tal como o ministro possivelmente tambem não cometeu ilegalidade (mas imoralidalidade talvez)- quantos não tiraram o curso assim? quantos professores universitários não tiveram essas equivalencias por feitos realizados antes? o que está mal é ele ter dado tanta importancia ao titulo (sintoma da sociedade a necessitar de reforma), o que está mal é o sistema permitir este tipo de "novas oportunidades". Porque capacidade politica (e esta capacidade ultrapassa muito as habilitações e o que estamos habituados classificar como mérito e dava uma discussão muito grande) deve ele ter com fartura, para chega onde chegou e fazer o que faz - chamem-lhe o que quiserem mas o que é certo é que para ir para o palco, para presidente de sindicato, para presidente de ordem, para presidente de associações de pais é preciso ter algo que muita gente com inteligência e humanidade, infelizmente, não tem.

Quanto ao Sr. Figueiras - não conheço pessoalmente mas terá os seus problemas, nomeademente alimentares e aquele problema de costas - dizem que engoliu um garfo aos 2 anos. O Astérix confidenciou-me que ele apresenta regularmente relatórios sobre a actividade dele e doutros a quem de direito com discussão desses resultados- não precisa de denuncia formal porque, dito de boca própria, se até ele, um badameco, tem acesso a informação muito clara, quem poderia ter capacidade de decisão tem essa e muito mais informação - o problema é que é muito dificil decidir porque quem decide não paga e não pode decidir facilmente, a sociedade não deixa utilizar as ferramentas porque a sociedade teme as ferramentas.

De Panoramix a 27.07.2012 às 00:36

O sistema eleitoral meus caros... Eis a questão. Sem consensos alargados vivo eu bem. Se calhar ficamos melhor paradinhos...

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    O BdC não aproveitou o Leonardo Jardim, o Marco Si...

  • Anónimo

    Esse lugar nobre é do Benfica. Ou aceitas que seja...

  • O comuna

    O futebol é uma máfia. BdC ainda acaba na valeta.

  • Pó de Sirphoder

    Quem defende o Vieira é mau.Quem defende o Bruno d...

  • A hipocrisia

    Muito se fala do BdC, mas quando olho para os outr...

  • Abel

    Muito se poderia dizer. Mas tenho uma pergunta: co...

  • Turista

    Para quem coloca o turismo como uma fonte menor:ht...

  • Nostalgia

    Xiii... o que foram lembrar...

  • Anónimo

    Parece o Kursk!Ups! Esse é outro elemento aqui do ...

  • Anónimo

    Não pode ser. Temos de salvar este Salgueiros.





Links

Blogs quase medíocres mas expectaculares